A INCIDÊNCIA DE PARASITOSES INTESTINAIS EM SILVICULTORES DO EUCALIPTO DA CIDADE DE ALAGOINHAS – BA

Solange da Silva Fiscina, Lídia Cristina Villela Ribeiro, Marcos Lázaro da Silva Guerreiro

Resumo


As parasitoses intestinais representam grande problema de saúde pública em países em desenvolvimento. O estudo teve como objetivo conhecer a incidência de parasitoses intestinais em silvicultores do eucalipto na cidade de Alagoinhas – BA, e relacionar os níveis de parasitismo às manifestações clínicas, condições de trabalho e a exposição a fatores socioambientais os quais estão submetidos na sua rotina laboral.  A pesquisa foi realizada através de um estudo de campo, exploratório descritivo, transversal e quanti/qualitativo. A população, no período de coleta, foi de 80  trabalhadores de uma empresa prestadora de serviços especializados em silvicultura e manejo florestal em Alagoinhas- BA, na  faixa etária entre 20 a 69 anos, sob aprovação do CEP do Hospital Geral Roberto Santos em  13/09/2017,  CAAE nº 76423617.1.00005028. Após receberem as informações do estudo e assinarem o TCLE, teve início a coleta de dados, conforme regulamenta a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde. Estes trabalhadores  tiveram suas fezes analisadas através da técnica de dupla filtragem por centrífugo-sedimentação.  A prevalência geral de parasitos intestinais foi de (83,75%)  de resultados positivos, sendo que destes, (80,60%) são de protozoários, com destaque para os protozoários não patogênicos Entamoeba coli e Endolimax nana , (4,48%) somente helmintos e (14,93%) são positivos para a associação entre protozoários e helmintos. Esses resultados indicam que as condições sanitárias e laborais destes trabalhadores favorecem o alto índice de infecções, com especial atenção via à água consumida.

Palavras-chave


Infecções parasitárias; Silvicultores; Eucalipto

Texto completo:

104-116

Referências


AMMOURA, M. 2014. Impact of hygienic level on parasite infection. Asian Pacific Journal of Tropical Medicine, p. 148-149. https://core.ac.uk/download/pdf/82647592.pdf

BRACELPA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL. Eucalyptus. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

BRAND, M. A. 2010. Energia de Biomassa Florestal. Rio de Janeiro.

COUTO, J.L.A. 2015. Esquistossomose mansoni em duas mesorregiões do Estado de Alagoas. Rev Soc. Bras. Med. Trop., v. 38 (4): 301-304. http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v38n4/a04v38n4.pdf

FONSECA, E.O.L., TEIXEIRA, M.G., BARRETO, M.L., CARMO, E.H., COSTA, M.C.N. 2015. Prevalência e fatores associados às geo-helmintíases em crianças residentes em municípios com baixo IDH no Norte e Nordeste brasileiros. Cad. Saúde Pública. 25(1):143- 152. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100015

HOTEZ, P.J., FENWICK, A., SAVIOLI, L, MOLYENEUS, D.H. 2015. Rescuing the bottom billion through control of neglected tropical diseases. The Lancet. 373: 1570-1575. https://www.who.int/neglected_diseases/Bottom_billion_ntd_control.pdf

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2016. Produção da extração vegetal e da silvicultura.

Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2017.

MBUH, J.V., NTONIFOR, H.N., OJONG, J.T. 2015. The incidence, intensity and host morbidity of human parasitic protozoan infections in gastrointestinal disorder outpatients in Buea Sub Division, Cameroon. J Infect Dev Ctries, v. 4 (1): 38-43. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20130377

MENDES, R. 2016. Produção científica brasileira sobre saúde e trabalho publicada na forma de dissertações de mestrado e teses de doutorado, 1950-2002. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, Belo Horizonte (MG), v. 1 (2): 87-118. http://www.higieneocupacional.com.br/download/producao-rene-mendes.pdf

MORTEAN, E.C.M., FALAVIGNA, D.L.M., JANEIRO, V., FALAVIGNA-GUILERME, A.L., GOMES, M.L. 2014. Occurrence and spatial distribution of intestinal parasites in a agricultural center in Paraná State, Brazil. Acta Scient. Health Sci., v. 32 (2): 147-153. DOI: 10.4025/actascihealthsci.v32i2.5283

MOTTA, M.E.F.A ; SILVA, G.A.P. 2014. Parasites induced diarrheas. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., v. 2 (2):117-127. DOI: 10.1590/S1519-38292002000200004

SATO, M., SANGUANKIAT, S., YOONUAN, T., PONGVONGSA, T., KEOMOUNGKHOUN, M., PHIMMAVOI, I., BOUPA, B. MOJI, K., WAIKAQUL, J. 2014. Copro-molecular identification of infections with hookworm eggs in rural Lao PDR. Trans. Royal Soc. Trop. Med. Hyg., v. 104: 617–622. DOI: 10.1016/j.trstmh.2010.06.006

SILVA, J. Eucalipto: Desfazendo mitos e preconceitos. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

SILVA, J. C., FURTADO, L.F.V., FERRO, T.C., BEZERRA, K.C., BORGES, E.P., MELO, A. C.F.L. 2010. Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v.44 (1):100-102. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011000100022

TIAGO, P.V., COSTA, M.D., PERASSOLO, V., SOUZA, E.M., GOMES, M. 2005. Prevalência de parasitoses intestinais em pacientes da unidade mista de saúde em Tangará da Serra, Mato Grosso, Brasil. Revista de Ciências Agro-Ambientais [Internet]. 2012 [cited 2013 ]; 3:117-24. Available from: http://www.unemat.br/revistas/rcaa/docs/vol3/11_artigo_v3.pdf

ZAIDEN, M., SANTOS, B., CANO, M. A., & NASCIF JÚNIOR, I. 2008. Epidemiologia das parasitoses intestinais em crianças de creches de Rio Verde-GO. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 41(2): 182-187. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v41i2p182-187


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.