A PERCEPÇÃO DO FISIOTERAPEUTA SOBRE A ATENÇÃO DOMICILIAR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE EM UM MUNICÍPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR/BA

Tito Luca Coelho, IZABEL SILVA, MARCUS Santos, QUEILA FERRAZ, SISLENE PEREIRA

Resumo


RESUMO

 Trata-se de uma pesquisa em andamento inicial, tem o objetivo de avaliar a percepção do Fisioterapeuta sobre a Atenção Domiciliar na Rede Básica de Saúde em um município da Região Metropolitana de Salvador/BA. Atenção Básica (AB) caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, no Brasil é desenvolvida com o mais alto grau de descentralização e capilaridade, ocorrendo no local mais próximo da vida das pessoas, deve ser a principal porta de entrada dos usuários para os diversos serviços de saúde oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Com base na Política Nacional da Atenção Básica (PNAB) que descreve os programas de saúde que compõem a (AB), destaca- se aqui a Atenção Domiciliar (AD), caracterizada como um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção, tratamento de doenças e reabilitação prestadas no domicilio. Membro das equipes da AB o profissional Fisioterapeuta desempenha ações preventivas e reabilitadoras, estudos comprovam que a inserção desse profissional na comunidade melhora a qualidade de vida da população atendida, contudo, não está bem esclarecido o papel desse profissional, quais as dificuldades e limitações encontradas nessa modalidade, a escassez de literatura, e metodologia acerca do atendimento domiciliar no SUS, parece ser um complicador para uma ampliação desse atendimento. Responde-se o problema com hipóteses e o resultado será discursão com base bibliográfica.

Palavras-chave: Atenção Domiciliar. Atenção Básica. SUS.

 

 


Palavras-chave


Atenção Domiciliar. Atenção Básica. SUS.

Texto completo:

202-204

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALEIXO, J.L.M. A Atenção primária a saúde e o Programa de Saúde da Família: Perspectiva de desenvolvimento do inicio do terceiro milênio. Revista Mineira Saúde Pública, v.01, n.01. Jan a Jun, p. 1-16, 2002.

AMARAL, Nilcéia; CUNHA, Márcia; LABRONICI, Rita. Assistência Domiciliar à Saúde (Home Health Care): sua História e sua Relevância para o Sistema de Saúde Atual, Rev. Neurociências, p.111-117, 2001.

AQUINO, R; MEDINA, M. G; NUNES, C. A; SOUSA, M. F. Estratégia saúde da família e reordenamento do sistema de serviços de saúde. In: PAIM, J. S; ALMEIDA-FILHO, N. saúde coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: Medbook, 2014.

BRASIL. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 out. 2011. Seção 1. P. 48-55.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2012. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica, Caderno de atenção domiciliar. Portaria nº 2.488. Brasília, DF, Vol.1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 548. Disponível em: < http:bvsms.saude.gov/bvs/saudelegis/Gm/2013/prt0548_04_04_2013.html > Acesso em: 4 de Abr. 2013.

FERNANDES, Nicéia Barbosa; RIBEIRO, Kátia Suely. Inserção do Fisioterapeuta na Atenção Básica: uma Analogia entre Experiências Acadêmicas e a Proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Revista Brasileira de Ciências da Saúde, vol. 16 n.2 p.113-122, 2012.

PAIM, Jairnilson. Revista eletrônica The Lancet em 9 de maio de 2011 (Saúde no Brasil).

LABATE, Renata; ROSA, Walisete. A.Godinho. Programa saúde da família

a construção de um novo modelo de assistência . Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.13 n.6 Ribeirão Preto Nov./Dez. 2005.

MINAYO, M. C. de S., 1993. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo - Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco. 2. ed.

MINAYO, M. C. de S. et al, 1996. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 6. ed.Petrópolis: Vozes.

MINAYO, M. C. de S. & SANCHES, O, 1993. Quantitativo – Qualitativo: Oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, ENSP/FIOCRUZ, v.9, n.3, p.239-262, jul./set.

MINAYO-GOMES C. S. & THEDIM-COSTA, S. M. da F., 1997. A construção do campo da saúde do trabalhador: percurso e dilemas. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, n.13, p.21-32. Suplemento 2.

NETO, Milton Menezes da Costa. A Implantação da Unidade de Saúde da Família. Ministério da Saúde; Secretaria da Política de Saúde Departamento de Atenção Básica, 2000 44. p 06.

RAGASSON, Carla Adriane; ALMEIDA Daniel Carlos; COMPARIN, Karen. Atribuições do fisioterapeuta no programa de saúde da família: Reflexões a partir da pratica Profissional. 2005.8p. Experiência baseada na residência em Saúde da Família (RSF) desenvolvida na UNI OESTE-campus Cascavel em parceria com o Ministério da Saúde. Paraná.

RODRIGUES, Raquel. A fisioterapia no contexto da política de saúde no Brasil: Aproximações e desafios. Revista Cientifica Perspectivas Online, p.104-109, vol.2, n° 8,2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de tecnologia e Ciências, FTC.