CAMINHOS POSSÍVEIS PARA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO OLHAR SOBRE A LOUCURA

Daniel Alberto Santos e Santos, Laís Barbosa Souza Vilas Bôas, Helen Níce Terrível

Resumo


A loucura durante muitos anos perpetuou-se no imaginário social enquanto fenômeno de periculosidade e inutilidade, devido às várias formas de assistência prestadas e, principalmente, pela forma excludente e preconceituosa como esta foi disseminada. Somente a partir da Reforma Psiquiátrica Brasileira, que surgiram as estratégias de desinstitucionalização, ancoradas nos pressupostos de transformação institucional de Basaglia, destinadas a uma desconstrução de saberes/discursos/práticas referentes à psiquiatria clássica vigente no Brasil. Contudo, apesar de ser considerado o elemento nuclear da Reforma Psiquiátrica Brasileira, o processo de desinstitucionalização ainda se presta a mais de uma interpretação no contexto das práticas em saúde mental no país. A partir do aprofundamento dessas discussões, este estudo visa investigar quais os caminhos a serem percorridos, pelos diversos atores sociais implicados no processo da Reforma Psiquiátrica Brasileira, para que a premissa da desinstitucionalização não se perca em diversas concepções e ponha em risco a sua efetivação. Entre os principais resultados, constatou-se, com base na revisão da literatura, a necessidade de entendimento e condução da desinstitucionalização para além da desospitalização, tendo em vista que, a ênfase deste processo está calcada na produção de modificações tanto na assistência quanto na dinâmica social, política e cultural, nas quais se baseia o universo manicomial.

Palavras-chave


Loucura. Hospitalização Psiquiátrica; Reforma Psiquiátrica; Saúde Mental.

Texto completo:

12-28

Referências


ALVERGA, A. R. de; Dimenstein, M. A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 10, p. 299-316, 2006.

AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Caderno de Saúde Pública, v. 11, p. 491-494, 1995.

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Fiocruz, 1998.

AMARANTE, P. Reforma psiquiátrica e epistemologia. Caderno Brasileiro de Saúde Mental, v. 1, (CD-ROM), 2009.

BARROS, D. D. Cidadania versus periculosidade social: a desinstitucionalização como desconstrução de um saber. In Amarante, P. (Org.). Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. 2 ed., Fiocruz, p. 171-195, 1998.

BEZERRA JÚNIOR, B. Desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Physis: Revista Saúde Coletiva, v. 17, p. 243-250, 2007.

BRASIL, Ministério da Saúde do. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Secretaria de Atenção à Saúde, Brasília, 2004.

BRASIL, Ministério da Saúde do. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação Geral de Saúde Mental, Brasília, 2005.

CIRILO, L. S.; OLIVEIRA FILHO, P. de. Discursos de usuários de um centro de atenção psicossocial – CAPS e de seus familiares. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28, p. 316-329, 2008.

FIGUEIREDO, V. V. de; RODRIGUES, M. M. P. Atuação do psicólogo nos Caps do estado do Espírito Santo. Psicologia em estudo, v. 9, p. 173-181, 2004.

FOUCAULT, M. História da loucura na idade clássica. Perspectiva, 1972.

GODOY, M. G.; BOSI, M. L. A alteridade no discurso da reforma psiquiátrica brasileira face à ética radical de Lévinas. Physis: Revista Saúde Coletiva, v. 17, p. 289-299, 2007.

HIRDES, A. A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re) visão. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, p. 297-305, 2009.

OLIVEIRA, J. A. M.; PASSOS, E. H. A implicação de serviços de saúde mental no processo de desinstitucionalização da loucura em Sergipe: um problema clínico-político. Vivência, v. 1, p. 259-275, 2007.

RIBEIRO, P. R. M. Saúde Mental no Brasil. Arte & Ciência, 1999.

ROTELLI, F.; LEONARDIS, O. de; Mauri, D. Desinstitucionalização. 2 ed., Hucitec, 2001.

SADIGURSKY, D.; TAVARES, J. L. Algumas considerações sobre o processo de desinstitucionalização. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 6, p. 23-27, 1998.

SALES, A. L. L. de F.; Dimenstein, M. Psicologia e modos de trabalho no contexto da reforma psiquiátrica. Psicologia Ciência e Profissão. v. 29, p. 812-827, 2009.

SILVEIRA, L. C.; BRAGA, V. A. B. Acerca do conceito de loucura e seus reflexos na assistência de saúde mental. Revista Latino-americana de Enfermagem. v. 13, p. 591-595, 2005.

STOCKINGER, R. C. Reforma psiquiátrica brasileira: perspectivas humanistas e existenciais. Vozes, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de tecnologia e Ciências, FTC.